Aqui você encontra o resultado de anos de pesquisas e colaborações como vídeos, fotos, relatos de pessoas que fizeram e fazem a história de nossas famílias. Colabore envie-nos um e-mail ou deixe seu comentário para enriquecer ainda mais nossa história.

Sintam-se a vontade para criticar, corrigir, sugerir acréscimos ou exclusões de qualquer postagem que possa lhes constranger, porque nossa intenção é tão somente manter a história da família mais próxima da realidade.

CURIOSIDADES

                                     
Lançamento Oficial do Aterro da Beira Mar de São José, SC, em 10/01/2000. A segunda foto registra o momento exato em que se iniciou a obra.

                



                                                     xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Em 13/11/1753, partiram dos Açores, com alistados da Ilha de São Miguel, duas galeras, que chegaram ao Brasil, na Ilha do Desterro, em fevereiro de 1754.

Essas galeras eram assim chamadas:
- Bom Jesus dos Perdões e Nossa Senhora do Rosário;
- Nossa Senhora da Conceição e Porto Seguro.

Ainda não sabemos precisar em qual das galeras Simão viajou para a Ilha de Santa Catarina, porque ainda não conhecemos a Lista dos embarcados de São Miguel para o Brasil.

Esse teria sido o último transporte de Açorianos para o Brasil.

Houve apenas mais um transporte de Portugal para Santa Catarina, de 520 Madeirenses, cuja galera Nossa Senhora da Conceição e Porto Seguro, naufragou nas costas da Bahia, onde se salvaram 11 mulheres e metade dos homens que, embrenharam-se nas matas fugindo de um novo transporte.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

O casal SIMÃO PEREIRA DE CARPES e LUZIA DA CONCEIÇÃO MACHADO doaram quase meio século de suas vidas à Venerável Ordem Terceira e nos registros daquela Instituição, tenho a crença que poderíamos saber muito mais a respeito dos seus comportamentos, disposição no cumprimento dos deveres a eles instituídos.

Por volta dos anos de 2000 a 2002, pedi autorização ao Frei Junípero, Comandante da Ordem Terceira em Florianópolis, para acesso à leitura dos Livros de Atas, correspondentes ao período da segunda metade do século XVIII.

A autorização foi concedida e orientado a procurar a Senhora Helena Borba, administradora do Templo, localizado na Rua Felipe Schmidt, a qual desconsiderou a orientação do Frei e proibiu-me de acessar qualquer literatura porque entendia que eu não era professo da Religião Católica.

Meses depois, num encontro casual na Rua Felipe Schmidt, o Frei Junípero lembrou-se do pedido e perguntou-me sobre o possível sucesso pretendido em tais pesquisas e para não alimentar um sentimento de desgosto, disse ao Frei, de elevada idade, que a Senhora Helena Borba, por precaução na conservação da literatura da Ordem, pediu-me mais tempo, o suficiente para que os livros pretendidos à leitura fossem restaurados.

Infelizmente Frei Junípero faleceu e foi nomeado em seu lugar o Frei Guinter, que depois de retornar da Alemanha no final de 2008, negou-se a me receber, alegando que se eu desejasse uma confissão que procurasse outra paróquia, já que ele estava demasiadamente ocupado.

Nos primeiros meses de 2009, novamente o Frei Guinter foi destacado para a Alemanha por sua Eminência Reverendíssima, o Arcebispo da Cúria Metropolitana de Florianópolis.

Escrevi uma Carta à Sua Eminência que nunca a respondeu.

Se alguém puder ajudar, a família CARPES será muito agradecida.


xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


O casamento dos pais de Simão, Manoel Pacheco e Francisca Xavier, ocorreu 15 dias antes do nascimento de Simão, ou seja, em 08/04/1741. Simão nasceu em 23/04/1741, que por dedução, acreditamos que os pais de Simão não eram católicos fervorosos, pois casaram-se para dar condições ao batismo do filho, muito embora já haviam nascidos dois filhos antes dele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário